Nota de entidades sobre o pronunciamento presidencial

A Abem, reunida a outras 24 entidades do setor, assinou nota publicada pela Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) em resposta ao discurso do presidente Jair Bolsonaro que foi ao ar na terça-feira, 24 de março. Além de classificar a manifestação presidencial como intolerável e irresponsável, a nota aponta atuação criminosa na fala proferida. Veja o conteúdo completo a seguir.

Bolsonaro, inimigo da saúde do povo

Nota das entidades de saúde coletiva e da bioética a respeito do pronunciamento do Presidente da República em cadeia nacional de rádio e TV, em 24 de março

As entidades de saúde coletiva e da bioética consideram intolerável e irresponsável o “discurso da morte” feito pelo Presidente da República, na noite de 24 de março, em cadeia nacional de rádio e TV.

Nessa manifestação, incoerente e criminosa, o Sr. Jair Bolsonaro, no momento ocupante do principal cargo do Executivo Federal, nega o conjunto de evidências científicas que vem pautando o combate à pandemia da COVID-19 em todo o mundo, desvalorizando o trabalho sério e dedicado de toda uma rede nacional e mundial de cientistas e desenvolvedores de tecnologias em saúde.

Nesse ato, desrespeita o excelente trabalho da imprensa e de numerosas redes de difusão de conhecimento, essenciais para o esclarecimento geral sobre a COVID-19, e desmobiliza a população a dar seguimento às medidas fundamentais de contenção para evitar mortes, medidas estas cruciais encaminhadas com muito esforço pelas autoridades municipais e estaduais, implementadas por técnicos e profissionais do SUS, os quais vêm expondo suas vidas para salvar pessoas. Além disso, Bolsonaro comete o crime de “infração de medida sanitária preventiva”, a ser enquadrado no Art. 268 do Código Penal Brasileiro, ao desrespeitar “determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa”.

Nossas entidades, representativas da comunidade brasileira de sanitaristas, epidemiologistas, planejadores e gestores de saúde, cientistas sociais e outros profissionais da área de saúde pública, vêm a público denunciar os efeitos nocivos das posições do presidente da República sobre a grave situação epidemiológica que estamos vivendo. Seu pronunciamento perverso pode resultar em mais sofrimento e mortes na já tão sofrida população brasileira, particularmente entre os segmentos vulnerabilizados em nosso país.

As instituições da República precisam reagir e parar a irresponsabilidade do ocupante da cadeira de presidente antes que o caos se torne irreversível.

Assinam esta nota as seguintes entidades:

  • Associação Brasileira de Saúde Coletiva – ABRASCO
  • Centro Brasileiro de Estudos da Saúde – Cebes
  • Associação Brasileira de Economia da Saúde – ABrES
  • Associação Brasileira da Rede Unida
  • Associação Brasileira de Enfermagem – ABEn
  • Associação Paulista de Saúde Pública – APSP
  • Sociedade Brasileira de Bioética – SBB
  • Rede Nacional de Médicas e Médicos Populares – RNMMP
  • Associação Brasileira de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora – ABRASTT
  • Frente Ampla em Defesa da Saúde dos Trabalhadores
  • Associação Brasileira dos Terapeutas Ocupacionais – ABRATO
  • Confederação Nacional dos Trabalhadores em Seguridade Social – CNTSS
  • Federação Nacional dos Psicólogos – FENAPSI
  • Confederação Nacional dos Trabalhadores na Saúde – CNTS
  • Sindicato dos Médicos do Rio de Janeiro – SinMed-RJ
  • Movimento Nenhum Serviço de Saúde a Menos
  • Associação Brasileira de Médicas e Médicos pela Democracia – ABMMD
  • Associação Brasileira de Nutrição – Asbran
  • Federação Nacional dos Farmacêuticos – FENAFAR
  • Associação Brasileira de Educação Médica – ABEM
  • Conselho Federal de Nutrição – CFN
  • Conselho Federal de Serviço Social – CFSS
  • Federação Nacional dos Enfermeiros- FNE
  • Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia – Abenfisio
  • Federação de Sindicatos de Trabalhadores Técnicos-Administrativos em Instituições de Ensino Superior Públicas do Brasil – Fasubra

Conheça a ABEM

Notícias Recentes

A Abem também se vacina

André Abreu Jr., diretor médico residente da Abem, foi o primeiro membro do Conselho Diretor da entidade a ser vacinado. Iniciou-se nesta quarta-feira,…

ver notícia >